CABEÇA
DE LÍDER

José Luiz Tejon

Eldorado/Estadão - Independência com paz e amor. Expoflora viva as flores!

Publicado em 07/09/2022

Expoflora - Holambra 2022

Pra não dizer que não falamos das flores e plantas ornamentais, melhor símbolo para celebrar 200 anos de Independência. Com paz e amor e pétalas de flores dos imigrantes holandeses que criaram Holambra em 1948.

Quase 15 bilhões de reais o movimento desse setor no país. E um trabalho excelente do IBRAFLOR - Instituto Brasileiro da Flor com o CEPEA da ESALQ/USP, que mediram a participação dessa cadeia produtiva identificando o quanto o setor de flores e plantas irriga a economia, gera empregos e empreendedorismo, desde os agricultores das flores e plantas até as floriculturas, jardineiros e paisagistas, 45% da cadeia de valor está nos agrosservicos, 31% no comércio pós porteira dos produtores rurais, e 23% no dentro das porteiras das propriedades produtoras. E isso tem origem na Holambra, na cidade de Holambra no interior de São Paulo, simplesmente a 4a maior cooperativas de flores do mundo.

Vamos ouvir o Jorge Possato, diretor executivo da Holambra convidando a todos nós para a Expoflora, uma feira de flores e plantas espetacular em Holambra, são 4 finais de semana, começando neste próximo de sexta até domingo.

Após 2 anos uma grande festa na cidade - Expoflora capital das flores, 300 mil pessoas devem vir ao evento.

E num dia, da Independência, onde devemos reverenciar a paz, a sensatez e a harmonia humana, nada como falar das flores.

É um agronegócio extraordinário, que além de irrigar a cidade com empreendedorismo, cooperativismo e empregos, significa saúde mental.

Vamos visitar a Expoflora, até dia 25 de setembro todos os finais de semana na cidade Holambra, pertinho de São Paulo, há apenas cerca de 130 km, a cidade mais europeia do estado.

Parabéns Holambra, Expoflora. Com paz e amor os negócios florescem mais e melhor.

José Luiz Tejon para a Eldorado/Estadão.

 

 

Também pode interessar

Produtores europeus entraram na semana passada em protestos na Holanda, Polônia, Itália, França e o movimento tende a se espalhar em toda Europa, pois os planos dos governos significam exigir reduções de amônia e óxido de hidrogênio cobrando dos agricultores mudança de práticas agrícolas e na criação de animais.
Conversei com Acrimat - Associação dos Criadores do Mato Grosso, dr. Oswaldo Ribeiro, seu presidente que me disse ser previsível esses casos, pois em meio a milhões de animais, surgem pouquíssimos casos. São animais velhos, proteína que degenera no cérebro. São vacas que deitam no frigorífico antes do abate.
Entrevistei a Maria Antonieta Guazzelli, diretora da Rex Pecuária de Leite, hoje com produção de cerca de 23 mil litros diários de leite, que afirmou ser o custo da energia elétrica o 3º maior item da sua despesa
Estou em uma rodada de visitas e encontros por 10 cidades do Paraná, falando da liderança das cadeias produtivas do agronegócio e da prosperidade para o país a convite da FAEP - Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Paraná.
© 2024 José Luiz Tejon Megido. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por RMSite