CABEÇA
DE LÍDER

José Luiz Tejon

Eldorado/Estadão - Somos grandes exportadores de commodities, mas não participamos das mesas dos consumidores.

Publicado em 21/02/2022

TCA
O agro brasileiro precisa falar muito mais das nossas delícias comidas regionais

Aqui direto da França, cidade de Nantes, estou ao lado de 40 estudantes internacionais para um master de pós-graduação em gestão de alimentos e agronegócio, na Audencia Business School, em parceria com a Fecap São Paulo. E no final de semana demos uma volta pelos restaurantes da cidade para identificar curiosidades importantes sobre os alimentos e o agronegócio junto aos consumidores finais.

E a experiência foi sensacional. Vimos aqui na França o que precisamos fazer imediatamente no Brasil para elevar a percepção de todo agronegócio brasileiro junto, primeiro a sociedade urbana consumidora do país, e depois através dessa lição de casa alcançarmos o mundo, os consumidores finais dos países clientes.

Carol, Haisem, ouvintes, as pessoas não querem comer “commodities”, as pessoas querem sabor, saúde, e valorizam muito o amor, o cuidado com que a produção agrícola é feita pelos seus agricultores locais e reúnem os artesãos, os chefs de cuisine locais aos agricultores locais.

Estávamos vendo o restaurante mais badalado de Nantes, com fila para entrar e aqui tem que ter o passaporte da vacina, senão não entra e não come. Mas o restaurante chama-se Entrecote. Carnes, bifes, e uma observação no menu: carnes produzidas por produtores franceses.

Outro restaurante, de frangos assados, Ma Poule, também com forte destaque a mensagem de que os frangos são provenientes de agricultores locais com a gastronomia de artesãos locais.

A cidra deliciosa, feita no terroir local. E isto observamos na pesquisa da caminhada pela cidade de Nantes, onde nasceu Júlio Verne em 1828. O escritor do futuro, que entre outras obras fez Capitão Nemo e as 20 Mil Léguas Submarinas, onde ali dizia que as algas seriam alimentos preciosos, e hoje na costa norte da França a atividade das algas se desenvolve extraordinariamente para alimentação animal e humana.

E ouvintes, Carol e Haisem, se tem um assunto que não sai da nossa frente o tempo todo aqui é a crise Ucrânia, Rússia. Mácron pediu que todos os franceses abandonem os estados fronteira da Ucrânia com a Rússia. E Ucrânia é considerada o celeiro do mundo também, com suas terras planas e muito férteis e, ao contrário de nós, tropicais, não precisa de fertilizante, como precisamos aqui.

Carol, Haisem, ouvintes, direto da França, alerta para o agro brasileiro falar muito mais das nossas delícias comidas regionais do que tanto de toneladas de commodities. Viva o terroir brasileiro! Au revoir Brasil!

José Luiz Tejon para a Eldorado/Estadão

Também pode interessar

O agronegócio está carente de um planejamento estratégico. Muito além de xingamentos, mentiras, fakenews, ideologias e intrigas de uns contra os outros. Afinal agronegócio significa coordenação de todos os elos das cadeias produtivas.
O agro paulista em iniciativas muito positivas conseguiu ter 100% de suas propriedades rurais com o Cadastro Rural Ambiental (CAR). Também a Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo  (ITESP) tem desenvolvido um ótimo trabalho com assentamentos no Pontal do  Paranapanema, entre outros. E da mesma forma saliento a Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (FAESP) com suas contas totalmente aprovadas pela auditoria, Conselho Fiscal, pelos delegados da assembleia e tem todos os seus documentos e contas expostos no Portal da Transparência.
O texto abaixo é de excelente conteúdo e recomendo a leitura! Sobre o Brasil ser protagonista na produção sustentável e abastecimento global de alimentos. É do amigo e consultor de Gestão Estratégica e Negócios, Cultura de Alta Performance, Governança e Sucessão no Agronegócio, Robert Sícoli Petty, da ISAE - Petty Soluções Empresarias 
Conversei com Hélio Mattar, presidente da Ong Akatu, em uma apresentação excelente sobre governança da sustentabilidade, onde falamos sobre a importância de realizarmos para o agronegócio uma governança da governança.
© 2024 José Luiz Tejon Megido. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por RMSite